Textos


Fria
Silenciosa
Donde escorrem minutos
E depois horas

Longas e tenebrosas

Lágrimas mornas
De olhos profundos
De um cansaço de mil mundos
Infinitos mundos de saudade
Por onde caminhamos
Ora juntos, ora separados

E essa ausência que é dor
Essa ausência que é bálsamo 
Essa ausência insistente
Que a princípio era um ponto
Mas que se torna um traço 
Longo
Longo
 
E silencioso

Dramático

Incógnito

E amargo

É amargor a ausência
Como fel rompido nas entranhas
E não digerido
Não aceito pelo corpo
Habituado ao doce sabor da presença

Assim ela é
A ausência
Feminina caprichosa e cruel
Má por sua própria natureza

E é silêncio
O som
Da ausência
Carmem L Marcos
Enviado por Carmem L Marcos em 21/04/2018
Alterado em 21/04/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (citar: autoria de Carmem L Marcos - www.feminaliterata.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários