Textos

Soneto I
Dói desejar teus braços sem poder.
Dói amar-te tanto sem ser amada
e resta-me aceitar e entender:
do amor que acredito não há nada.

Não suporto em vida mais sofrer,
viver esta paixão desesperada.
Dói ser incapaz de me defender,
dói cortando-me o peito feito espada.

Valha-me ó madrugada sombria!
O meu corpo triste mortalha fria,
parece-me estar sempre de partida.

Venha acalmar-me as dores ó dia,
a triste e profunda melancolia
e a sensação de ainda estar perdida.
Carmem L Marcos
Enviado por Carmem L Marcos em 06/02/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (citar: autoria de Maria Eugênia - www.mariaeugenia.prosaeverso.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários