Textos

O Poeta Sacrifical
Morre um poeta,
a cada poesia que escorre de meus dedos.
Se dispersa a poética,
levada suavemente pelo vento.
E assim,
resta somente a mim.
Novamente,
sou absolutamente nada.
E é neste vazio da alma
que algum tipo de deus Baal
me introduz
milhares de palavras,
num enlace ritual
e fecundando em mim,
uma nova metáfora.
Por fim,
cumprindo a alquimia ancestral,
gera
um novo poeta,
que será sacrificado
quando o fruto do seu pecado
manchar o branco papel.
Carmem L Marcos
Enviado por Carmem L Marcos em 06/02/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (citar: autoria de Maria Eugênia - www.mariaeugenia.prosaeverso.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários